Resenha: Starters – Lissa Price

O livro Starters foi lançado em 2012, e desde então eu ficava adiando sua leitura. Ele é uma distopia jovem, ambientada em um mundo onde não existem adultos. Eles foram dizimados por uma guerra e agora as cidades são habitadas apenas por crianças, adolescentes e idosos. Callie e seu irmão mais novo perderam os pais e não tem onde morar, e assim como outros jovens precisam trocar constantemente de abrigo.

A empresa Prime Destinations desenvolve uma tecnologia que permite que os Enders (os idosos) possam habitar os corpos de Starters (os adolescentes) por um curto período e assim sentirem-se jovens novamente. O processo deveria ser seguro, e garantir aos Starters uma grande quantia em dinheiro. Como o irmão de Callie sofre de doenças respiratórias, ele decide participar do processo para pagar o tratamento do irmão. Mas algo dá errado no processo, e ela acorda em meio ao aluguel, descobrindo-se em envolvida em uma conspiração.

A história é escrita de forma leve, o que torna a leitura bem rápida. O livro é relativamente curto (cerca de 350 páginas), e possui uma continuação chamada Enders. Ótimo para descansar um pouco da avalanche atual de trilogias. Mesmo tendo uma continuação, o final de Starters é relativamente satisfatório, e sobram poucas coisas a serem resolvidas no próximo livro. Vale lembrar que ele é um livro middle grade (infanto-juvenil), e a sociedade distópica não é tão desenvolvida. Ainda assim, é mais complexa que A Seleção, por exemplo. O romance central é um pouco forçado, mas não chegou a me incomodar.

Li o e-book em inglês, e o vocabulário era relativamente fácil. Creio que seja uma ótima opção se você está procurando um livro para  começar a ler na língua. Aliás, estou preparando um vídeo com dicas para começar a ler em inglês e irá ao ar em breve! Para terminar, deixo abaixo o vídeo que já gravei com a resenha do Starters!

Anúncios

Série A Seleção – Kiera Cass

Aproveitei o tempo livre no feriado de Carnaval para ler os livros A Seleção, A Elite e A Escolha! A série se passa num futuro distante, em que os Estados Unidos tornaram-se uma monarquia e a sociedade é dividida em castas. A Seleção é uma competição em que 35 jovens de diferentes castas disputam a chance de se casar com o príncipe Maxon. Para muitas garotas, esta é a oportunidade de viver no palácio, tornar-se princesa e mudar de vida. Mas America Singer não estava interessada em nada disso, e planejava se casar com Aspen, de uma casta inferior. A contra gosto, ela se inscreve para participar do programa, e aos poucos acaba se encantando pelo príncipe Maxon, sem contudo se esquecer do seu primeiro amor.

Se você acha que já ouviu esta história antes, você está certo. A história é repleta de clichês, e os personagens são um pouco rasos (e não muito carismáticos). A competição, uma espécie de reality show, é o que traz frescor para a história! O livro é uma ótima leitura para passar o tempo, especialmente naqueles dias em que você procura uma história leve. Os livros são curtinhos e a trama é bem envolvente. Trata-se de uma distopia, mas o foco mesmo é o romance. Não espere uma explicação muito grande com relação à sociedade, às castas ou ao modo como a sociedade se transformou. O destaque cabe ao triângulo amoroso.

trilogia A Seleção

Li o primeiro livro na versão tradicional e os outros dois como ebook. Apesar de não ser uma trilogia, o terceiro livro possui um fim bem satisfatório. Em maio haverá o lançamento em inglês do quarto e último livro da série (o nome já é um spoiler). Pela sinopse, é um epílogo que se passa muitos anos depois! A série possui ainda os seguintes contos: O Guarda, o Príncipe e A Rainha (os dois primeiros agrupados no livro Contos da Seleção). Destes 3, pretendo ler o último, que conta a história da Seleção na qual a mãe do príncipe Maxon foi escolhida para se casar com o rei. E você, também gosta de ler distopias? Um abraço e até a próxima!